quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

ASTROLOGIA BÍBLICA

VOCÊ SABIA QUE TODA A HISTÓRIA BÍBLICA ESTÁ RETRATADA NAS CONSTELAÇÕES?


“Para sempre, ó SENHOR, está firmada a tua palavra no céu” Sl 119,89.

“...eis que vieram uns magos do Oriente a Jerusalem. E perguntavam: Onde está o recém-nascido Rei dos judeus? Porque vimos a sua estrela no Oriente e viemos para adorá-lo.” Mt 2,1

Segundo estudiosos, os magos que vieram do oriente eram remanescentes de Issacar (recompensa de Deus), uma das 12 tribos de Israel. Formada por 200 príncipes (ou principais) eles pertenciam a uma Companhia de Profetas, eram estudiosos das estrelas e discerniam os tempos. Todas as demais tribos eram orientadas em acordo com os estudos da tribo de Issacar.
Eles sabiam ler o que está escrito nas estrelas:

A astrologia Bíblica inicia- se em VIRGO,
porque:
... “Eis que uma virgem conceberá, e dará à luz um filho, e será o seu nome Emanuel.” Is 7,14

Ele é:
... “o Leão da tribo de Judá, a raiz de Davi, que venceu, para abrir o livro e desatar os seus sete selos” Ap 5,5

Em Gn 3,15 lemos: “Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar”.

O Escorpião é O animal que fere por trás (o calcanhar) quando tem a cabeça pisada;

Yeshua é o arqueiro com a coroa(SAGITÁRIO),o que pisa a cabeça da serpente (Samael) e do escorpião (Apoliom).

"Aquele que não conheceu pecado, se fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça (BALANÇA – LIBRA) de Deus.” 1Cor 5,21

O LIVRO DO PROFETA EZ 1,10 ASSIM COMO O APOCALIPSE DE JOÃO 4:1,11 E TODO O EVANGELHO DE MATEUS RETRATAM A NATUREZA DE SERVO EM JESUS REPRESENTADA NA FIGURA DO BOI:

“Quanto à aparência dos seus rostos, os quatro (SERES ALADOS) tinham rosto de homem, rosto de leão no lado direito”, rosto de boi (Touro) no lado esquerdo, e rosto de águia”. Ez 1,10

E POR AÍ VAI.

Com relação à Natividade, Jesus nasceu no mês de Tishrei, o mês 7* (símbolo da perfeição) do calendário móvel judaico, durante a Festa dos Tabernáculos, Cabanas ou sukkōt, também conhecida como festa das Colheitas. Portanto, o mês mais provável do nascimento de Jesus foi outubro.

A Succá (cabana) deveria ser construída de folhagens ou palha que possibilitasse ver os céus.
Certamente Ele nasceu no início do outono em uma manjedoura de palha, e havia pastores por perto.

"havia pastores no campo que velavam e guardavam seus rebanhos durante a vigília da noite", Lc 2,8

Se Jesus tivesse nascido em Dezembro não haveria a presença de pastores e rebanho, porque este é um mês muito frio em Israel e os pastores ficam recolhidos, assim como o rebanho.

Como bons judeus, José e Maria certamente comemoravam essa festa, que é uma ordenança bíblica ao povo de Israel.

Durante esse período eles saíam de suas casas e habitavam em tendas para relembrar o Êxodo, os 40 anos em que viveram no deserto, após a libertação do cativeiro no Egito.

A comemoração do Natal em 25 de dezembro tem origem pagã.
Foi o imperador Constantino, que em sua conversão ao Cristianismo, oficializou a partir do séc. IV a festa do Deus Sol – Tamuz, como a data de comemoração do nascimento de Jesus.

(*antes do recebimento da Torá, Tishrei era considerado o 1º mês do calendário judaico).

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Ouvidos moucos

Há certas coisas que quando ouço, me faço de surda.

Duas amigas fazendo comentários sobre o comportamento das filhas:
Uma reclama que a moça se irrita quando é solicitada a traduzir o inglês em algum trecho de música.
A outra, não quis abrir página de Twitter para a mãe; alegou que a mãe não o saberia utilizar.

Cada qual a sua maneira, minhas amigas tentaram ser boas mães.
Uma se gaba de ter curado a primeira manifestação de pirraça da menina com um vigoroso tapa no traseiro. A outra não é de alterar o tom de voz com os filhos.

A mocinha do inglês começou a 2ª língua ainda na infância. A mãe certamente se privou de algo material para si mesma e de muito tempo precioso para pagar e conduzir a bonitinha à escola.


E a do do twitter, os pais não pouparam esforços para a satisfação de todas as vontades.

Há uma pequena diferença de idade entres essas jovens.
Não digo que sejam ingratas ou egoistas.
Creio que em sua educação, na tentativa de prepará-las para a competição profissional, essas jovens foram mal direcionadas.
O egocentrismo a que foram irrefletidamente orientadas a canalizar no mercado de trabalho, explodiu dentro do próprio lar.

Um dramaturgo diria que o monstro se voltou contra o criador.
Mas eu não disse nada. Fiz ouvidos moucos.

sábado, 3 de setembro de 2011

Minha velhice tranquila

Ele nasceu pobre e cresceu espreitando a opulência dos ricos.
Sentia-se humilhado pela situação financeira de seus pais.
Revoltou-se contra o Deus que faz nascer o sol sobre os justos e injustos. Virou as costas para Ele e decidiu abrir seu caminho "a machado".
No seu julgamente sempre limitado, o fiel da balança dividia o mundo entre endinheirados e pobres.

Desde o início de sua carreira buscou esquecer suas origens, pisava, maltratava, humilhava os seus subalternos.

Do olhar míope desse mundo de valores invertidos, ele chegou lá, naquele lugar onde meia dúzia acena a bandeira triunfante para os pé-rapados, no linguajar capitalista selvagem, os fracassados.

Eu não invejo essa riqueza.
Pode ser que eu tenha uma rara deficiência visual, tão rara quanto sem importância, que poucos se ocupam dela. Talvez, nesse mundo, meus valores é que estejam invertidos.

Que riqueza é essa que esse homem construiu, meu Deus?
Ele não fez amigos;
Sua esposa o abandonou cedo;
Seus filhos moram do outro lado do continente e não pretendem voltar, porque não têm laços que os prendam aqui... Casaram-se por lá, fizeram filhos por lá, definitivamente não querem retornar.
Eles foram adestrados para desenvolver redes de interesse ao invés de relacionamentos saudáveis.

A coroa dos nossos pais devem ser os netos. Alguém já disse que com esses, os pais atualizam as emoções que ficaram represadas na criação dos filhos e se permitem ser esbanjadoramente afetivos, sem limites, sem peias, sem preocupação, sem responsabilidades. Mas ele mal conhece os netos e os filhos, indiferentes e acostumados ao desamor paterno, não fazem questão dessa proximidade.

Ele queria ter uma velhice tranquila.
Para amealhar recursos, economizava ferreamente muitos tostões.
Contemplava o mundo com um olhar endurecido, egoísta, revoltado pela pobreza da infância.
Acumulou riqueza de forma mesquinha. Dizem que era sovina até para comer e que já abastado, controlava a despensa doméstica.

Há muito ganhou seu primeiro milhão, tem alguns imóveis alugados, dinheiro aplicado na bolsa, e nas últimas décadas, sempre desfilou as avenidas com um cobiçado modelo automobilístico, o clássico burguês de ascenção social.

O relógio do tempo é implacável para todos. Hoje, desligado de suas atividades profissionais, sua companhia frequente são os sintomas de algumas doenças degenerativas, o silêncio de sua opulente residência e os passos da enfermeira contratada para cuidar de seus achaques.

É... ele chegou lá, lá no topo, de onde se pode enxergá-lo acompanhado de sua imensurável solidão.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

NO MEIO DOS CRENTES

Por que gosto de estar no meio dos crentes?
Minha mãe era uma mulher de dupla beleza: por dentro e por fora. Adolescente recebeu no bairro o apelido de "Bonequinha de Luxo" pela semelhança física à famosa atriz que protagonizou o filme.

Naqueles idos anos 60, ela, uma mulher branca, em uma família tradicional, vivendo numa preconceituosa cidade interiorana, casou-se com um mulato, sobrinho-neto de escravos.

Criada de acordo com os ensinamentos cristãos, ela sempre respeitou as crenças alheias.

Os lixeiros suados, que recolhiam lixo no bairro, bebiam água em nossa casa.
Minha mãe fazia questão de refrescá-los em preciosos copos de cristal utilizados somente para servir as visitas; foi a maneira que ela encontrou para honrar o árduo trabalho deles.

Ela dividia nossas delícias, as frutas e os biscoitos que comprava para nós, com um menino, filho e irmão de prostitutas.

Lembro-me das tulipas rosadas.
Naqueles dias, o homossexualismo cheio de trejeitos era preconceituosamente rechaçado. Ela cativou a estima de Miguel, o talentoso e inquestionável pintor homossexual que a presentou com a obra em motivos florais.

Não aprendi a medir pessoas pela condição social, nem por currículum, nem por aparência. Independente do vocabulário ou do alcance intelectual tenho interesse em ouvi-las.

Assim, não digo que tenho preferências, porque não retrata a verdade, mas gosto de estar entre os crentes. Não é de todo crente, mas gosto de estar perto daquele que busca conhecer a Palavra de Deus e que teme* ao Senhor.

Aquele que realmente é Crente no Senhor Jesus, vive o presente com olhos no futuro; vive o aqui e agora intensamente; não tem tempo a perder nessa vida porque não vê outra oportunidade "Além do Horizonte".

Converso sem reservas e ouço sem contrangimento este que não pode mentir.

Não temo negociar com o que não pode "dar o cano em ninguém".

O crente é otimista e corajoso porque tem retaguarda - "Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum"(...)Sl 23

O crente é feliz, bem humorado e tem uma preocupação em honrar o Nome de Deus dando o "bom testemunho" com o falar e com as obras de suas mãos. São bons empregados, excelentes colegas, amigos leais.

Os leigos colocam todos os crentes em um mesmo balaio de gato, como se crente fosse "tudo igual". Não é.

As bandeiras, as denominações, determinam muito o comportamento do crente. Há os que não permitem as mulheres que se depilem, que aparem as madeixas, que usem batom e há entre eles até mesmo os que proibem as crianças de brincar.

Muitos não aceitam divorciados em suas igrejas e não se relacionam socialmente com os que não compartilham da mesma fé. A religiosidade em si mesma não aproxima as pessoas de Deus. Doutrinas humanas não são o fundamento da Igreja de Cristo.

Jesus avisa:
o que se exalta será humilhado, e pede: sejam sal na terra, luz no mundo e não julguem ninguém.
Eu gosto de estar em meio a esses crentes.

"Mas, a quem assemelharei esta geração? É semelhante aos meninos que se assentam nas praças, e clamam aos seus companheiros,
E dizem: Tocamo-vos flauta, e não dançastes; cantamo-vos lamentações, e não chorastes.Porquanto veio João, não comendo nem bebendo, e dizem: Tem demônio.Veio o Filho do homem, comendo e bebendo, e dizem: Eis aí um homem comilão e beberrão, amigo dos publicanos e pecadores. Mas a sabedoria é justificada por seus filhos.Então começou ele a lançar em rosto às cidades onde se operou a maior parte dos seus prodígios o não se haverem arrependido, dizendo: Ai de ti, Corazim! ai de ti, Betsaida! porque, se em Tiro e em Sidom fossem feitos os prodígios que em vós se fizeram, há muito que se teriam arrependido, com saco e com cinza.Por isso eu vos digo que haverá menos rigor para Tiro e Sidom, no dia do juízo, do que para vós.
E tu, Cafarnaum, que te ergues até aos céus, serás abatida até aos infernos; porque, se em Sodoma tivessem sido feitos os prodígios que em ti se operaram, teria ela permanecido até hoje.Eu vos digo, porém, que haverá menos rigor para os de Sodoma, no dia do juízo, do que para ti. Naquele tempo, respondendo Jesus, disse: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos". Mateus 11,16-25

* temer a Deus é respeitá-lo e obedecê-lo.

domingo, 7 de agosto de 2011

A Difícil arte do Desapego

Você já reparou como é difícil encontrar uma hora para desocupar os armários e como é fácil achar um tempinho para ir às compras?

O que sobra em sua casa certamente faz falta na comunidade vizinha.
Deus prometeu, e sua palavra não falha, que aos seus não há de faltar alimento, vestimenta e moradia.

Se você está justificado por Ele não há porque temer o futuro.

A casa abarrotada dificulta a organização que tanto facilita a vida.
Quando o assunto for descarte, atente às duas necessidades: ao seu desapego e à carência material do outro.
E lembre-se, as coisas mais importantes que existem você não pode reter consigo: o tempo, os amores e a própria vida.

"Fui moço, e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo, nem a sua descendência a mendigar o pão". (Sl 37,25)

Palavras Perigosas na boca do Cristão

Frequentemente ouço, em momentos de dificuldades, alguma blasfêmia na boca de cristão desavisados:

- Se for para ajudar, de onde vier está bom!(????) Como????
Esses desavisados falam de maneira inconsequente. Não sabem que isso estabelece um acordo no mundo espiritual. Ajudar em quê? A resolver um problema para o qual sabemos só Deus tem a solução?!!!

Você autoriza que alguém, além do Espírito de Deus tenha atuação em sua vida???
É por isso que há tantas facções no Corpo de Cristo e a Igreja está tão disfuncional.
Ouvir de um cristão católico, que - "se for para ajudar, de onde vier está bom."???
Que dor no Coração, Jesus!
Misericórdia, Senhor!

domingo, 31 de julho de 2011

Poesia por todo lugar

Eu me lembro do amplo salão e do que, aos meus olhos, era uma sequência interminável de mesas enfileiradas. Mesas de madeira, cobertas por feltro verde, coalhadas por uma profusão de multicoloridas e pesadas bolinhas, ladeadas por compridos tacos bem posicionados nas paredes brancas.

Adentrava aquele lugar umas duas ou tres vezes ao ano, de passeio com a prima Simone, nos períodos de férias.
Era o salão de sinuca e bilhar do tio Roberto.
Nunca soube distinguir a variação entre os jogos, nem se haviam mesas diferentes para eles.

Os ouvidos de criança colecionavam histórias sobre os jogos. Qualquer jogo sempre foi mal visto em minha família, qualquer um, menos aquele do salão de bilhar do tio Roberto.

Na minha lembrança, o tio emprestado, marido da minha tia, era um homem tão sério e sisudo como os outros com os tacos caramelo nas mãos.
Debaixo de meus 6, 7 anos, nesses esparços encontros, eu procurava visualizar o rosto do tio Roberto, que singular, sempre me devolvia a busca com um curto, porém marcante sorriso. A sabedoria de criança que o tempo não apaga: atrás de muita carranca, um puro coração de ouro.

Meu tio passou, desta para a melhor. O salão de bilhar, nem sei se existe mais. Ficaram as lembranças.
Meninos-Homens, ridiculamente concentrados, se fazendo de hábeis.
O jogo da vida e o acasalamento simbolizado no jogo de bolinhas coloridas.
A saudável vontade de acertar o alvo.
Para além da janela o refletir dos últimos raios de sol no espelho da lagoa.

"E verifiquei que nada há de melhor para o homem do que alegrar-se com o fruto de seus trabalhos. Esta é a parte que lhe toca. Pois, quem lhe dará a conhecer o que acontecerá com o volver dos anos?" (Ecle 3,22)